sexta-feira, julho 14, 2006

AMOR SEM DONO


Amor Sem Dono
Nina Castro

Sou...

Essência inteira, una, verdadeira...
Nem metade, nem o dobro.
Do fruto e da vida sou o todo!
Vontade de ir além do além e mais além.
Abraçar o tempo-espaço que ainda não é de ninguém.
Sem sal no olhar pelo que já foi.
Sem páginas de vidas coladas...
depois de rasgadas...
O vento curou a ferida do que já não dói.

E refazer as rotas de marés agitadas.
Firme no leme deste meu coração-razão veleiro.
Ressuscitar centelhas divinas naufragadas.
Louvar as palavras-mantras resgatadas.
E beber o segredo do Amor último
com sabor sempre a primeiro.

Sou...

Amor no feminino.
Ora dócil ora felino.
Encaro firmemente o caminho.
E com mãos-cálice de ternura desenho o destino.
Não me vendo.
Não me rendo.
Apenas me dou...
... num momento...
num fragmento...
faço-me eterna, maga-mulher...
Que sabe e escolhe o que e quem quer.

Sem dono, sem senhor, sem dor.
Sou MULHER-AMOR!

Lisboa, 5/7/2006






~***~

Carinho e o meu abraço de vento

Nina

8 comentários:

mixtu disse...

Una…
Vontade de ir e de ser…
sem viver do e no passado…
refazer que é sempre um constante
fazer,
de uma forma segura em si e no caminho traçado ou a traçar…
resgatar o lado bom vivido…

“Sem páginas de vidas coladas...
Depois de rasgadas...”
(…)

“Que sabe e escolhe o que e quem quer.”
(…)
“Apenas me dou...
... num momento...
num fragmento...”

Amor… pleno
…num pouso de pássaro,
Animal por essência uno e livre

Poesia…

Desassossego disse...

Engraçado ao ler-te senti mesmo um ser uno e único, intenso e doce, que quer que vai...
as tuas palavras fizeram eco...
Um xi para ti Senhora...maga-mulher..

floca disse...

Muito bom!
Excelente auto-definição.

Ant disse...

Obrigado. Que bela entrega. Vale a pena ter-me entregue em cada palavra.
Beijo

Nani disse...

Ni*

É essência única e verdadeira, já tantas e tantas vezes lho disse, mas não me canso de o dizer, é verdade e repetirei as vezes que forem precisas.

Ni *

É a própria vida e fez com que eu abraçasse esse tempo que tanto deseja e deu-me, dando-se, momentos.

Pode contar comigo para juntas enfrentar o destino e percorrer o caminho, para refazer as suas rotas de marés agitadas, já que sabe tão bem a minha «carta de marear» e para ressuscitar a suas centelhas do passado e do futuro, que diz que eu tenho. Mas para isso acontecer tem que me deixar…

E eu fico à espera, fico à espera do momento em que me contará essas e outras centelhas, as páginas de vidas e tudo aquilo que me prometeu contar…

« I’ll be waiting… for you…»

Abraço

Nani

Peter disse...

"Vontade de ir além do além e mais além.
Abraçar o tempo-espaço que ainda não é de ninguém."

A resposta, demasiado longa, que dei ao teu comentário, insere-se por coincidência, em alguns dos aspectos focados no teu texto.

O blog é colectivo:
Peter, o autor do texto que comentaste, António (ANT) e a "bluegift".

Obrigado pela visita e bom fds.

Pescador disse...

Olá meNINA !!
Permites-me que deixa aqui um comentário que foi originalmente
privado... e assim se manterá se for essa a tua vontade !!
Mas diz-me se me o permites !?!?
Bjs doces minha querida, docessssssss
Pescador

Cleopatra disse...

Não me vendo.
Não me rendo.
Apenas me dou...