domingo, setembro 25, 2011

CONTIGO, EU ARRISCO! (100º post)

Post antigo. Estava em rascunho e eu publiquei-o. Pensei que iria surgir 'lá atrás'... não aqui. :(
E agora... ou o retiro ou fica aqui... fora do tempo onde pertence... aiaiaiaiaiai...







Não somos responsáveis apenas pelo que fazemos,
mas também pelo que deixamos de fazer.
*
(Molière, dramaturgo francês)

~*~
Olá!!!

Este é o 100º Post. Sem pudores... apresento-me:

Esta sou eu...
Uma mistura de menina-mulher com alma de pássaro...
Mantenho a eterna ingenuidade de ACREDITAR nas pessoas... e de amar a VIDA!
Sou professora de Literatura Portuguesa e Francesa... nasci e vivo em Lisboa... cidade encantada, onde os voos das gaivotas nos levam (e lavam) o olhar... até onde o nosso coração alcança, ou seja, para além do além, do além... do além...
Escrevo um pouco. A verdade é que preciso de escrever como de respirar (ainda que só a mim interesse o meu respirar.)
Adoro abraços...
o afecto tão especial que escorre para a alma.
Queria oferecer-vos um excerto ínfimo de algo que escrevi ao longo de muito tempo, uma narrativa que tem o título deste post: «Contigo, eu arrisco!».
(Também já existe em ebook.)

Abraçoooooo dançado.

Nina
*~*
(...)

Quando se olharam pela primeira vez... ela soube: ele pertencia ao grupo dos que perturbam, dos que não consolam, dos que não enxugam as lágrimas, dos que dão o abraço desafiador.

Não era um porto de abrigo... tinha mais aura de perigo.
E ela gostou.

Eterna meNINA, que não tem medo do escuro... que evita o caminho mais seguro, previsivel.
Sempre preferira rios cantantes a searas calmas e ondulantes.

Optou pelo ousado.
(Ah, meNINA... que segues o Fado!)

O que seria da corda de um piano se ninguém tocasse na tecla?
Nunca conheceriamos o belo som que ela pode produzir.
Só assim se estabelece a nossa música, aquela que nos envolve e desperta para um mundo estranho aos demais.

Se não fosse assim, como poderia o homem provar o beijo ardente que ficou preso no tempo?

Vou, vou contigo... seja onde for.
Quero encontrar a Lei do amor!
É a directriz da vida...
Alma que não a sente, estará perdida!

E olhou-o com o seu olhar arisco... como quem lhe diz:
'Contigo... eu arrisco!'

(...porque as almas afins são feitas para um dia se reencontrarem e tudo arriscarem!...)

Nina

3 comentários:

Zé Carlos disse...

Oi menina Nin@ que eu tanto conheci e tanto admiro... passar por seu Blog e sorver suas palavras fazem um bem tremendo para todas as almas, e nos alegra o coração. Um maravilhoso dia para ti. Bjs do Zé Carlos

Amaral disse...

Prazer em conhecer-te, Nina! Mais do que quem dizes ser, mais valioso é "quem és"! Tão natural é o teu respirar (que de tal não te dás conta), como o teu dom para escrever… Por isso, precisas dele, como ar para os teus pulmões…
As almas afins procuram a sua evolução natural, muitas vezes passam a dois passos sem se encontrarem, muitas vezes percorrem vidas paralelas, muitas vezes cruzam espaços em intercâmbios de sabedoria e experiências.
O beijo ardente que fica preso no tempo gravou no inconsciente de ti as sensações fugidias que iluminam o piscar desse teu momento.

caminhante disse...

um beijinho terno...